• Natália Jorge

Review: Íz (Goiânia)

Um restaurante em 5 sentidos.



Meu primeiro sentido aguçado ao entrar no Íz foi a audição. Reconheci várias músicas da playlist deles, como as do Buena Vista Social Club e do Manu Chao.


Queijo coalho tostado com falso caviar de jabuticaba, melado de cana, ciboulette e pó de manteiga de garrafa

Quando chegou a entrada - queijo coalho tostado com falso caviar de jabuticaba, melado de cana, ciboulette e pó de manteiga de garrafa (R$ 38) - foi a vez da visão. Além das louças e do ambiente impecáveis, os pratos também demonstram o alto senso estético do chef.


Queijo coalho tostado com falso caviar de jabuticaba, melado de cana, ciboulette e pó de manteiga de garrafa

A entrada estava saborosa, mas faltou gosto e acidez de jabuticaba no caviar, que, apesar disso, me convenceu, além do visual, pela textura.


Pirarucu a la Plancha com paçoca de rabada, tartar de banana da terra, mousseline de banana da terra e azeite de ciboulette

O paladar, então, foi aguçado mesmo com os pratos principais. Fomos de Pirarucu a la Plancha - com paçoca de rabada, tartar de banana da terra, mousseline de banana da terra e azeite de ciboulette (R$ 84) - e Leitão assado lentamente - com roti de kimchi, figos, mel de abelha nativa e arroz de queijos e castanhas brasileiros (R$ 86).


Leitão assado lentamente - com roti de kimchi, figos, mel de abelha nativa e arroz de queijos e castanhas brasileiros

Ambos estavam muito bem equilibrados e com contrastes impecáveis, tanto de temperatura quanto de textura, elevando o tato e o olfato.


Gostamos tanto do restaurante que, na mesma noite, quisemos conhecer a casa italiana do mesmo chef, o 1929 Trattoria Moderna.

Esse almoço foi harmonizado com:




© 2019 COMIDA DE COMER - Natália Jorge

  • Ícone preto do Facebook
  • Ícone preto do Twitter
  • Ícone preto do Pinterest
  • Ícone preto do Instagram